Siga-nos

Cultura

Aberta exposição sobre a a vida de Adoniran Barbosa

“Uma viagem pelo mundo de Adoniran Barbosa”, no Farol Santander, apresenta facetas inéditas do artista

Da Redação, em 30 de novembro de 2018

Adoniran Barbosa é, sem sombra de dúvidas, um dos grandes nomes da cultura paulista de todos os tempos. Mas, paradoxalmente, muito pouco de sua vida privada é conhecida do grande público. Com o intuito de mudar esse panorama, foi aberta a exposição “Trem das Onze – Uma Viagem Pelo Mundo de Adoniran”, no Farol Santander, no centro da capital.

O autor de “Saudosa Maloca”, “Tiro ao Álvaro” e “Trem das Onze” nasceu com o nome de João Rubinato, mas optou por trocar de nome ao enveredar pela música. Afinal,, como ele mesmo dizia, “onde já se viu sambista ter sobrenome italiano?” O nome “Adoniram” foi pego para homenagear um amigo de infância, e o “Barbosa” o artista pescou do colega Luiz Barbosa, também músico.

O que pouca gente sabe é que a música não foi a sua única paixão. Adoniran Barbosa se aventurou também pela dramaturgia, como ator de telenovelas; foi comediante e – pasmen – artesão de brinquedos. Para mostrar tais facetas do artista, a exibição conta com ojetos pessoais de Adoniran, guardados por anos pr sua esposa, Matilde, e até então inacessíveis ao público. Um passeio imperdível na capital.

  • Exposição "Trem das Onze - Uma viagem pelo mundo de Adoniran"

  • Logo na entrada, imagens do artista se intercalam com São Paulo

  • Na mostra há fotos e documentos nunca antes visto pelo público

  • A participação de Adoniran em telenovelas é apresentada na mostra

  • Há salas temáticas, como esta, que representa a garoa paulistana

  • Nesta outra sala, vê-se uma representação do famoso trem das onze

Publicidade
Clique para comentar

Comentar

Literatura

Premiado escritor israelense Amos Oz faleceu

Escritor, cronista, ativista político e pacifista Amon Oz faleceu nesta sexta-feira, por conta de complicações com câncer

Da Redação, em 28 de dezembro de 2018
Uzi Varon/Amos Oz Website

O escritor israelense Amos Oz, de 79 anos, morreu nesta sexta-feira, dia 28 de dezembro, em decorrência de complicações causadas pelo câncer. A informação foi confirmada pela filha. Ele ficou mundialmente conhecido por sua defesa na busca por soluções para o conflito entre israelenses e palestinos.

O israelense é fundador do movimento pacifista Paz Agora. Nos seus livros, ele relatou a reconstrução do povo judeu após o holocausto e as disputas territoriais envolvendo Israel. Amos Oz nasceu em Jerusalém em 1939 em uma família de estudiosos e professores, alguns dos quais militantes de direita sionistas vindos da Rússia e da Polônia.

Desde a guerra de 1967, Amos Oz publicou artigos e ensaios sobre o conflito árabe-israelense, lançando opiniões em defesa do reconhecimento mútuo e da coexistência entre Israel e um Estado palestino na Cisjordânia e em Gaza.

O autor recebeu o prêmio de maior prestígio de seu país: o Prêmio Israelense de Literatura em 1998. Em 2002, foi agraciado com o Prêmio de Liberdade de Expressão da União de Autores da Noruega e uma indicação para o Prêmio Nobel de Literatura. Em 2005, ele recebeu o prêmio Goethe e em 2007 o Prêmio Príncipe das Astúrias de Letras.

Em 2004, Amos Oz e o acadêmico palestino Sari Nusseibeh receberam conjuntamente a Premi Internacional Catalunya pelo governo catalão por sua “contribuição decisiva para o desenvolvimento de valores culturais, científicos e humanos em todo o mundo”. Entre suas principais obras estão Uma História de Amor e TrevasUma Certa Paz e Pantera no Porão.

Com informações da Agência Brasil

Continue Lendo

Cinema

Diretor Bernardo Bertolucci morre aos 77 anos, em Roma

Falece o último grande expoente da escola italiana de cinema, diretor de filmes prestigiados internacionalmente

Da Redação, em 26 de novembro de 2018
Getty Images

O cineasta Bernardo Bertolucci, expressiva figura da cinematografia italiana da segunda metade do século 20, com obras como “Último Tango em Paris”, 1900 e “O Último Imperador” morreu em Roma aos 77 anos, informou hoje (26) a imprensa italiana.

Poeta, produtor, roteirista e diretor, ele era considerado o último grande mestre do cinema italiano ao produzir grandes obras-primas e deixar marcado seu nome entre os grandes da indústria cinematográfica europeia. A família restringiu o acesso de repórteres ao enterro, e a causa da morte não foi divulgada.

Continue Lendo

Destaques