Siga-nos

Brasil

Bolsonaro autoriza corte de 30% da verba das federais

Agora todas as universidades públicas do Brasil serão afetadas com a redução do investimento na educação

Da Redação, em 03 de maio de 2019
EBC

A princípio, o bloqueio do repasse afetava apenas três universidades federais por motivos de “manifestações ideológicas inapropriadas” dentro das instituições de ensino público. Ilustrando os ocorridos, a UFF posicionou-se em 2018 contra o fascismo usado nas campanhas eleitorais, a UFBA recebeu o Fórum Mundial, e por último, a UnB autorizou que debates com Fernando Haddad (PT) e Guilherme Boulos (PSOL) fossem realizados nas imediações da faculdade.

Tais acontecimentos foram usados contra as federais, que na visão do novo ministro da Educação, Abraham Weintraub, possuíam fraco desempenho, e se dedicavam apenas a “eventos ridículos” de plena “balbúrdia”. Porém, o ato de Weintraub fere a constituição, que prevê como princípio da educação a liberdade de “divulgar o pensamento, a arte e o saber”, já que o ministro está decidindo de maneira autoritária os padrões que as universidades federais devem seguir sem consultar outros órgãos ou a opinião pública. Ademais, estatísticas e indicadores apontaram que tais universidades prejudicadas são consideradas umas das vinte melhores do Brasil.

Porém, há poucos dias, o governo autorizou que tal corte de verba não fosse apenas restrito às essas três universidades, mas sim à todas as outras federais do Brasil, sem exceção alguma. O orçamento reduzido prejudica, dentre outros pontos, a segurança das instituições, assim como o fornecimento de água e energia, além de milhares de alunos que frequentam as universidades em situações que já exigiam anteriormente uma atenção especial.

O caos passa a ser uma realidade prevista para todas as universidades públicas, de acordo com Reinaldo Centoducatte da Andifes (associação que reúne os reitores federais). O orçamento cortado é grande demais para ser de fato autorizado, já que este pode comprometer, por tempo indeterminado, a educação do ensino superior em todo o Brasil.

Publicidade
Clique para comentar

Comentar

Brasil

Estrutura de concreto desaba em túnel no Rio

Cidade maravilhosa encontra-se novamente em estágio de crise com desabamento

Da Redação, em 17 de maio de 2019

O município do Rio de Janeiro entrou em estágio de crise no início da tarde de sexta (17) depois que uma estrutura de concreto desabou no Túnel Rafael Mascarenhas (Acústico). O desabamento fechou a via nos dois sentidos, interrompendo a principal ligação entre a zona sul e os bairros da Barra da Tijuca e São Conrado.

Ainda não há informações sobre feridos no desabamento. O Corpo de Bombeiros está no local, que é parte do percurso da autoestrada Lagoa-Barra. A prefeitura do Rio de Janeiro pede que os motoristas evitem trafegar entre a zona sul e a Barra, já que a Avenida Niemeyer – a outra ligação entre as duas regiões –, também está totalmente bloqueada. A via foi fechada ontem por causa de um deslizamento de terra em São Conrado.

A mobilidade na zona sul da cidade está ainda mais prejudicada porque o Túnel Rebouças, ligação da Lagoa Rodrigo de Freitas com o centro e a zona norte, está parcialmente interditado, devido a um acidente no sentido zona sul. A cidade já havia entrado em estágio de atenção na manhã de hoje por causa dos problemas de mobilidade. Além disso, há previsão de chuva forte para esta sexta-feira, além de ventos moderados a fortes e ressaca com ondas de até 2,5 metros.

Continue Lendo

Brasil

Presidente do Inep pede demissão

Elmer Coelho Vicenzi assumiu o cargo há menos de um mês e já é o segundo a sair da presidência

Da Redação, em 17 de maio de 2019
EBC

O presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Elmer Coelho Vicenzi, pediu demissão. A informação foi confirmada há pouco pelo Ministério da Educação (MEC). A pasta diz apenas que a demissão foi “a pedido”. O MEC divulgou hoje (17) que Alexandre Ribeiro Pereira Lopes, agora ex-diretor legislativo da secretaria executiva da Casa Civil, ocupará o cargo de presidência do Inep como substituto.

Delegado da Polícia Federal, Vicenzi, assumiu o Inep no dia 22 de abril. Ele foi chefe do Serviço de Repressão a Crimes Cibernéticos da Coordenação-Geral de Polícia Fazendária da Diretoria de Investigação e Combate ao Crime Organizado e diretor do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran).

Autarquia vinculada ao Ministério da Educação, o Inep é responsável por avaliações como o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e o Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb), aplicado a estudantes desde a alfabetização até o ensino médio, além dos Censos Escolar e da Educação Superior

Continue Lendo

Destaques