Siga-nos

Ásia

Caças indianos atacam bases terroristas no Paquistão

Paquistão e Índia já entraram em guerra duas vezes nos últimos cinquenta anos. Teme-se que o conflito cresça na região

Da Redação, em 28 de fevereiro de 2019
Reprodução/Twitter

Caças indianos bombardearam bases terroristas além da fronteira do Paquistão, segundo informações da imprensa do país. O ataque, condenado pelo governo paquistanês, foi uma retaliação ao atentado terrorista na Caximira, o qual ceifou a vida de mais de quarenta militares indianos num quartel, próximo à capital da disputada província, palco de conflitos desde os anos 60.

Há dois dias, um caça indiano foi abatido e caiu em solo paquistanês. O piloto indiano foi capturado pelas autoridades do país, e deve ser devolvido à Índia nos próximos dias, numa demonstração clara que o Paquistão quer acalmar a situação, bastante tensa, entre os dois países.

Publicidade
Clique para comentar

Comentar

Ásia

Samsung acusada de causar câncer em seus funcionários

A empresa sul-coreana se desculpou publicamente por ter exposto seus funcionários ao câncer e outras doenças

Da Redação, em 23 de novembro de 2018
Divulgação

A Samsung se desculpou publicamente pelo câncer e outras doenças causadas aos seus funcionários, incluindo danos congênitos aos filhos das vítimas, e destacou seu compromisso de pagar as compensações econômicas fixadas. “Não levamos a sério todas essas doenças e não resolvemos rapidamente a questão”, afirmou o copresidente da companhia, Kim Ki-nam, em um ato de desculpa pública no qual participou junto a representantes dos afetados, segundo informou a imprensa de Seul.

O assunto surgiu em 2007, quando o funcionário Hwang Yu-mi morreu de leucemia e começaram a surgir outros casos que afetaram antigos trabalhadores de fábricas de microprocessadores e telas da Samsung. “Queridos colegas e suas famílias sofreram por um longo tempo, mas a Samsung Electronics não afrontou este tema antes”, lamentou Kim.

Um comitê de mediação entre as partes anunciou um acordo pelo qual a companhia terá que pagar 150 milhões de wons (US$ 132 mil) por cada caso. Um representante do grupo que defende os afetados, Hwang Sang-ki, pai do funcionário que morreu de leucemia em 2007, expressou no mesmo ato sua esperança de que a companhia prepare um plano completo de compensação a quem sofreu doenças. “Estou feliz que tenha podido cumprir a promessa que fiz a Yu-mi”, afirmou Hwang ao se referir ao seu filho falecido. “Mas não posso esquecer todo o dano causado a Yu-mi e à minha família”, acrescentou.

Com informações da Agência Brasil

 

 

Continue Lendo

Ásia

Terremoto de 6,1 graus deixa mais de 200 feridos no Japão

Terremoto de 6,1 graus deixa 3 mortos e mais de 200 feridos no Japão

Da Redação, em 18 de junho de 2018
Reprodução/YouTube

Um terremoto de 6,1 graus de magnitude sacudiu nas últimas horas o oeste de Japão e causou a morte de pelo menos três pessoas, incluindo uma menina de nove anos, e mais de duzentos feridos, segundo informou o governo. O porta-voz governamental, Yoshihide Suga, informou que pelo menos três pessoas morreram em razão do terremoto, enquanto a emissora pública NHK fala em mais de 230 feridos em seis cidades da região. De acordo com a JMA, é a primeira vez que Osaka registra um terremoto desta intensidade desde que, em 1923, estes dados começaram a ser registrados.

Os três mortos confirmados são uma menina de nove anos que morreu devido ao desmoronamento de um muro em um colégio na cidade de Takatsuki (na região de Osaka), um homem de 85 sobre quem caiu uma estante na sua casa em Ibaraki (na mesma cidade) e outro homem de 80 que ficou soterrado sob uma parede (também em Osaka).

O terremoto aconteceu às 19h58 de ontem, no horário de São Paulo, e teve seu epicentro a 13 quilômetros de profundidade na cidade de Osaka, na ilha de Honshu – a maior do arquipélago japonês – e a cerca de 500 quilômetros a oeste de Tóquio, informou a Agência Meteorológica do país (JMA, na sigla em inglês). O tremor, pelo qual não foi emitido alerta de tsunami, atingiu o nível 6 na escala japonesa fechada de 7 graus (centrada no grau de agitação na superfície) em Osaka e de 5 em Kioto.

Infraestrutura urbana atingida

Vários prédios nas cidades de Osaka e Takatsuki desmoronaram e pegaram fogo, segundo as imagens da NHK. O tremor causou a suspensão do serviço de trem-bala na região, assim como dos serviços ferroviários locais das cidades de Osaka, Shiga, Hyogo, Kioto e Nara, que retomaram a sua atividade horas depois.

O fornecimento de energia elétrica já foi recuperado na região depois que cerca de 170 mil casas tiveram cortes de eletricidade, enquanto 110 mil não têm gás e, segundo a empresa Osaka Gas, demorarão perto de dez dias para ter o serviço restabelecido. Algumas cidades sofrem com cortes de água e também aconteceu a inundação de algumas áreas em Osaka por causa de rupturas nas tubulações.

Segundo o Ministério de Saúde, alguns hospitais da região sofreram danos nas suas infraestruturas, assim como cortes de água, paralisações nos elevadores e escassez de pessoal, já que alguns trabalhadores não puderam chegar ao trabalho devido à falta de transporte. O aeroporto de Kansai (Osaka), o mais importante do oeste do Japão, foi fechado enquanto se revisava o estado das suas pistas, enquanto no segundo maior aeroporto desta cidade foram cancelados 80 voo.

Continue Lendo

Destaques