Siga-nos

País

Campanha “Não é Não!” tem adesão de 26 blocos paulistas

Campanha contra assédio sexual no Carnaval atrai blocos paulistas, que procuram assegurar uma diversão sadia para as mulheres

Da Redação, em 23 de janeiro de 2019
Rovena Rosa/Agência Brasil

A campanha “Não é Não!”, lançada há três anos pela estilista Aisha Jacob e um grupo de amigas como forma de combater o assédio sexual no Carnaval, terá reforço este ano em território paulista. O carnaval 2019 marca a adesão à campanha de 26 blocos da capital, assim como de várias cidades do interior.

Graças a uma operação de crowdfunding, serão produzidas 100 mil tatuagens não permanentes com os dizeres “Não é Não!”, para distribuição gratuita a mulheres nos eventos pré-carnaval e durante a folia de Momo em São Paulo..

Em cada cidade, haverá uma quantidade de tatuagens produzidas, de acordo com as doações recebidas. Apesar dos diversos valores obtidos, o total mínimo que cada capital participante da campanha receberá são quatro mil tatuagens.

A distribuição oficial em São Paulo começará no primeiro final de semana de fevereiro. Foi criada uma rede de “embaixadoras informais”, que fazem a administração da campanha em cada região. Se o azul e roxo foram as cores que predominaram nas tatuagens do carnaval de 2018, este ano, a preferência será pelo rosa e vermelho, além de branco e preto. Um único fornecedor, paulista (claro), responde pela produção de todas as tatuagens do coletivo.

Para proteger e educar

Aisha disse que a campanha atendeu o seu objetivo no carnaval passado. “A gente ouviu até que foi o carnaval do “Não é Não!”. Muito positivo foi ouvir isso“. Segundo ela, trata-se de um projeto de reeducação tanto feminina quanto masculina. “Acho que a gente ainda tem muito que alcançar e melhorar. É um projeto de reeducação mesmo, que deveria começar pela escola”.

Para os homens que ainda teimam em querer ser abusivos diante das tatuagens contra o assédio, Aisha Jacob lembrou que a rede de mulheres criada pela campanha virou quase um escudo de proteção. “As mulheres se olham, sabem que podem se ajudar e recorrer umas às outras. Se você olha uma mulher tatuada com o “Não é Não!”, você sabe que ela fala a mesma língua. É um apoio entre as mulheres”.

Publicidade
Clique para comentar

Comentar

Sociedade

Milhões de mulheres não vão ao ginecologista

Pesquisa mostra que mais de 15% das mulheres paulistas não costumam ir a um ginecologista com a frequência necessária

Da Redação, em 15 de fevereiro de 2019
Freeimages

Pelo menos1,6 milhões de paulistas não costumam ir ao ginecologista-obstetra, cerca de 800 mil nunca procuraram atendimento com esse profissional e outras 2,2 milhões não passam por consulta há mais de um ano, indicou uma pesquisa da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo).

Segundo a pesquisa, o resultado mostra que 20% das mulheres com mais de 16 anos correm o risco de ter um problema sem ao menos imaginar. Foram entrevistadas 1.089 mulheres de 16 anos ou mais de todas as classes sociais, em todo o território paulista.

Entre as mulheres que já foram ao ginecologista, seis a cada dez (58%) são atendidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS), enquanto 20% passam pelo médico particular e outras 20% têm plano de saúde. Quando questionadas sobre qual especialidade médica é a mais importante para saúde da mulher, 68% citam a ginecologia, principalmente por mulheres que usam atendimento particular ou convênio. Em seguida, mencionam clínica geral e cardiologia.

Porta de entrada para a saúde

“Sete em cada dez mulheres têm o ginecologista como seu médico de atenção para cuidar da especialidade e para cuidar da saúde de um modo geral. Não é diferente em outros países. É como se a ginecologia fosse a porta de entrada da mulher para a assistência básica de saúde. É muito comum a mulher que tem problemas que não são propriamente ginecológicos marcar consulta com o ginecologista e ele encaminhar para outro especialista”, explicou o presidente da Febrasgo, César Eduardo Fernandes.

O levantamento mostra ainda que nove de cada dez paulistas costumam ir ao ginecologista – principalmente as que utilizam atendimento particular e convênio. Metade delas vai ao médico, sendo metade uma vez ao ano. Já 2% não têm frequência definida, 5% nunca foram e 8% não costumam ir.
Quando se trata do acesso ao ginecologista entre aquelas que já passaram por consulta, a média da idade para a primeira vez é de 20 anos e os motivos foram a necessidade de esclarecer algum problema ginecológico (20%), a gravidez ou a suspeita dela (19%) e a prevenção (54%).

“Nós entendemos que a razão da primeira consulta não deveria ser por problemas ginecológicos ou gravidez. Acredito que falta da parte dos educadores e dos médicos esclarecer que a mulher deve ir na primeira consulta assim que iniciar seu período de vida menstrual para receber orientação sobre doenças sexualmente transmissíveis, iniciação sexual, métodos contraceptivos”, ressaltou Fernandes.

Entre aquelas que não costuma ir ao ginecologista, as razões mais alegadas são ‘não preciso ir, pois estou saudável (31%)’ e ‘não considero importante ou necessário ir ao ginecologista (22%)’.

Continue Lendo

País

Marcola e demais líderes do PCC fora de São Paulo

Governo de São Paulo transferiu 22 líderes da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) para penitenciárias federais

Da Redação, em 13 de fevereiro de 2019
Reprodução/Twitter

O governo de São Paulo transferiu 22 presos para penitenciárias federais. Segundo o governo, todos são líderes da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC). Os detentos estavam no presídio de Presidente Venceslau, no interior do estado. Entre os transferidos, está Marcos Hebas Camacho, o Marcola, considerado o principal líder da organização criminosa.

No pedido formulado à Justiça pelo Ministério Público de São Paulo (MP), os promotores argumentam que investigações apontam para a existência de planos para tentar libertar Marcola. “Os alvos da ação já teriam gasto dezenas de milhões de dólares nesse plano, investindo fortemente em logística, compra de veículos blindados, aeronaves, material bélico, armamento de guerra e treinamento de pessoal”, afirma o documento.

O resgate estaria sendo planejado, de acordo com o MP, por Gilberto Aparecido dos Santos, um aliado de Marcola conhecido como Fuminho. Gilberto fugiu da Casa de Detenção de São Paulo em 1999 e, segundo as investigações, está atualmente estabelecido na Bolívia, de onde envia armas e drogas para o Brasil e outras partes do mundo.

Os promotores argumentam ainda que a transferência dos líderes do PCC vai dificultar a articulação do grupo criminoso. “O afastamento e isolamento inédito da liderança da facção de suas bases criminosas e de seus faccionados comandados, e portanto, de sua “zona de conforto”, dificultando assim que as ordens cheguem a outros faccionados”, diz o pedido.

Em novembro do ano passado, a Justiça havia autorizado, a pedido do Ministério Público, a transferência, de outros cinco líderes do PCC para presídios de segurança máxima federais.

Continue Lendo

Destaques