Siga-nos

Economia

Processo de recuperação da economia interrompido

O Banco Central confirmou a interrupção no processo de recuperação da economia, mesmo ainda havendo expectativas

Da Redação, em 14 de maio de 2019
Divulgação

O processo de recuperação gradual da atividade econômica sofreu interrupção no período recente, mas a expectativa é de retomada adiante. Essa é a conclusão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC), que decidiu manter a taxa básica de juros, a Selic, em 6,5% ao ano.

Segundo ata da reunião do Copom, o arrefecimento da atividade observado no final de 2018 teve continuidade no início de 2019. “Em particular, os indicadores disponíveis sugerem probabilidade relevante de que o Produto Interno Bruto (PIB) tenha recuado ligeiramente no primeiro trimestre do ano, na comparação com o trimestre anterior, após considerados os padrões sazonais”, diz o documento.

O Copom acrescenta que os indicadores do primeiro trimestre induziram revisões substantivas nas projeções de instituições financeiras para o crescimento do PIB em 2019. “Essas revisões refletem um primeiro trimestre aquém do esperado, com implicações para o “carregamento estatístico” [herança do que ocorreu no ano anterior], mas também embutem alguma redução do ritmo de crescimento previsto para os próximos trimestres”, destacou. Nesse cenário, o Copom avaliou que seria necessário manter a Selic em 6,5% ao ano.

“O comitê julga importante observar o comportamento da economia brasileira ao longo do tempo, livre dos efeitos remanescentes dos diversos choques a que foi submetida no ano passado e, em especial, com redução do grau de incerteza a que a economia brasileira continua exposta”, diz a ata. O Copom acrescentou que essa avaliação sobre o desempenho da economia demanda tempo e não deverá ser concluída a curto prazo. “O comitê ressalta que os próximos passos da política monetária [definição da taxa Selic] continuarão dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos e das projeções e expectativas de inflação”, afirmou.

Inflação

Na ata, o Copom destaca ainda que a inflação acumulada em 12 meses deve atingir um pico no curto prazo para, em seguida, recuar e encerrar 2019 em torno da meta. Para 2019, a meta de inflação é de 4,25%, com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, portanto, não poderá superar 5,75% neste ano nem ficar abaixo de 2,75%. A meta para 2020 foi fixada em 4%, também com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual.

O comitê ressalta, entretanto, que “a consolidação desse cenário favorável, com inflação nas metas no médio e longo prazos, depende do andamento das reformas e ajustes necessários na economia brasileira, que são fundamentais para a manutenção do ambiente com expectativas de inflação ancoradas”.

O Copom fez projeções para a inflação de acordo com dois cenários. Na hipótese de a Selic terminar 2019 em 6,5% ao ano e ser elevada a 7,5% ao ano em 2020, com taxa de câmbio que termina 2019 em R$ 3,75 e 2020 em R$ 3,80, a inflação fica em torno de 4,1% para neste ano e 3,8% para 2020. Nesse cenário, as projeções para a inflação de preços administrados (controlados pelo governo, como gás, energia e gasolina) são de 5,3% para 2019 e 5% para 2020.

No cenário com taxas contantes – Selic em 6,50% ao ano e de câmbio em R$ 3,95 -, as projeções para a inflação do Copom ficam em torno de 4,3% para 2019 e 4% para 2020. A estimativa para a inflação de preços administrados são de 5,6% para 2019 e 5,1% para 2020.

Taxa Selic

A taxa básica de juros é usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve de referência para as demais taxas de juros da economia. Ao reajustá-la para cima, o Banco Central segura o excesso de demanda que pressiona os preços, porque juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Ao reduzir os juros básicos, o Copom barateia o crédito e incentiva a produção e o consumo, mas enfraquece o controle da inflação. Para cortar a Selic, a autoridade monetária precisa estar segura de que os preços estão sob controle e não correm risco de subir. Quando mantém o juros básicos, o comitê considera que alterações anteriores na taxa foram suficientes para alcançar a meta de inflação.

Publicidade
Clique para comentar

Comentar

Economia

Sobe custo de vida em São Paulo

Habitação e transporte ficaram mais caros no mês de maio

Da Redação, em 13 de junho de 2019
EBC

O Índice do Custo de Vida (ICV) na cidade de São Paulo, calculado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), aumentou 0,20% de abril para maio. Nos primeiros cinco meses, o aumento foi de 1,85% e em 12 meses, de junho de 2018 a maio de 2019, foi de 4,60%.

As taxas por estrato de renda foram as seguintes: para o estrato 1, que engloba as famílias de menor renda, foi observada variação de 0,15%; para o estrato 2, de 0,13%; e, para o 3, de 0,26%. De janeiro a maio de 2019, a alta para o primeiro estrato foi de 2,16%; para o 2º, de 2,05%; e, para o 3º, de 1,65%. Entre junho de 2018 e maio de 2019, as taxas acumuladas foram as seguintes: 5,34% para o estrato 1; 4,99% para o estrato 2; e, 4,19% para o estrato 3.

As variações verificadas nos dez grupos do ICV foram as seguintes: recreação (1,48%); habitação (1,09%); transporte (1,07%); despesas pessoais (0,06%); saúde (0,01%); educação e leitura (0,00%); vestuário (-0,14%); despesas diversas (-0,20%); equipamento doméstico (-0,20%); e alimentação (-0,68%).

Os grupos que mais contribuíram para a taxa de maio foram habitação (1,09%) e transporte (1,07%); com impacto conjunto de 0,40 ponto percentual (p.p.). A queda de -0,21 p.p. do grupo alimentação (0,68%) compensou parcialmente o aumento. Os reajustes dos itens da habitação (1,09%) que determinaram a alta na taxa do grupo foram a água e esgoto (3,57%) e o gás de botijão (5,11%).

O aumento de 2,77% no preço médio da gasolina foi o grande responsável pela taxa do grupo transporte (1,07%). Não houve variação nos valores dos itens do subgrupo transporte coletivo. Nos subgrupos da Alimentação (-0,68%) foram constatadas as seguintes variações: -1,72% para os produtos in natura e semielaborados; -0,13% para a indústria da alimentação; e, 0,62% para a alimentação fora do domicílio.

Continue Lendo

Economia

Comércio paulista espera fraco Dia dos Namorados

Previsão foi feita pela Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP), que declarou: “Vai ser o Dia dos Namorados da lembrancinha”

Da Redação, em 05 de junho de 2019
Valter Campanato/Agência Brasil

O comércio varejista paulista deve ter um Dia dos Namorados com movimento fraco, na previsão da Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP). “Vai ser o Dia dos Namorados da lembrancinha”, resume o assessor econômica da federação Guilherme Dietze. O desempenho do comércio deve ser, de acordo com ele, semelhante aos resultados do Dia das Mães, a segunda data mais lucrativa para as lojas.

Segundo o economista, com o desemprego em alta e com pouca oferta de crédito, os casais devem ir às compras em busca de presentes que não causem impacto no orçamento. “A intenção de consumo das famílias vem se reduzindo desde março. Mostra que o índice de desemprego elevado e a inflação para alimentos e bebidas corrói o poder de compra e limita o consumo de bens não essenciais”, explicou.

Como os bancos estão restringindo o crédito e muitas pessoas já estão com dificuldades de pagar as dívidas, como mostram os índices de inadimplência, a tendência, na avaliação de Dietze, é que namoradas e namorados optem por itens que possam ser comprados à vista. Historicamente, segundo o economista, os setores de vestuário e calçados são os que mais faturam na data.

Desempenho em junho

Para o mês de junho como um todo, o crescimento do varejo deve ficar, na projeção do economista, em 3% em relação ao mesmo mês do ano passado. Ele pondera, entretanto, que em 2018 toda a economia sofreu com o impacto da greve dos caminhoneiros. “Estamos falando de 3% sobre um mês que foi atípico”, enfatiza sobre o movimento fraco do período anterior.

Os setores que ainda mantém um bom desempenho no comércio do estado são, segundo o economista, os supermercados e as farmácias. “Basicamente o essencial. Estão deixando de comprar os bens duráveis e não estão querendo se endividar”, disse sobre o comportamento das famílias. Além da falta de crédito, o economista ressalta que a alta dos preços dos alimentos têm pressionado os orçamentos familiares.

“A inflação de alimentos e bebidas, que corresponde, dependendo da faixa de renda, de 22% a 33% do orçamento das famílias, é um impacto muito grande no orçamento”, destacou. A partir da conjuntura, Dietze acredita que o varejo paulista deve crescer 2% no ano, o dobro do que espera da economia em geral, com uma alta de 1% no Produto Interno Bruto (PIB). “A gente não está vendo uma perspectiva positiva neste ano para economia e para o consumidor. É um cenário bem abaixo das expectativas, é um pouco frustrante”, diz.

Continue Lendo

Destaques