Siga-nos

Sociedade

SP anuncia R$ 160 milhões para o Museu do Ipiranga

O Governado Paulista divulgou as empresas patrocinadoras e a gerenciadora das obras em coletiva nesta última sexta (17)

Da Redação, em 18 de maio de 2019

O Governador João Doria, o secretário de Cultura e Economia Criativa do Estado, Sérgio Sá Leitão, e o reitor da Universidade de São Paulo, Vahan Agopyan, em coletiva de imprensa realizada no Palácio dos Bandeirantes, a conquista do valor total necessário para as obras de restauro e ampliação do Museu do Ipiranga.

Foram divulgadas também as novas empresas que confirmaram patrocínio ao projeto e a empresa gerenciadora das obras. “Conseguimos um recorde histórico na história da cultura brasileira. São R$ 160 milhões até o presente momento para a recuperação do Museu do Ipiranga, o Museu da Independência”, destacou Doria.

“Com isso, teremos recursos suficientes para a recuperação do museu, cuja obra começa agora em setembro, e dia sete de setembro de 2022 vamos inaugurar o nosso Novo Museu do Ipiranga”, comentou o Governador sobre a inauguração oficial do Museu da Independência, que celebrará o bicentenário da Independência do Brasil.

Campanha

A campanha para levantamento de recursos foi lançada no mês de março, com o propósito de arrecadar ao menos R$ 160 milhões para a revitalização e para a exposição de reabertura, sobre os 200 anos da Independência. Dois meses depois, o Governo Paulista anuncia a captação total do valor-alvo, por meio de parceiros privados e empresas estatais.

“A resposta do setor privado foi muito positiva”, disse o secretário Sérgio Sá Leitão. “Graças aos parceiros, será possível entregar à população de São Paulo, em 2022, o museu mais moderno e seguro do Brasil, a tempo de celebrarmos lá, com uma grande exposição, o Bicentenário da Independência”, salientou.

Além da EDP Brasil, da Sabesp e do Itaú, anunciados anteriormente, integram o grupo de patrocinadores as empresas Caterpillar, do setor de equipamentos de construção e mineração; a EMS, do mercado farmacêutico; a mineradora Vale; o Banco Safra; o Bradesco; a fabricante de automóveis Honda; o Banco do Brasil; a Caixa Econômica Federal; a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN); e a Cosan, grupo econômico que atua nos segmentos de energia e infraestrutura.

Captação

Outras cinco empresas serão anunciadas em breve, após a finalização de trâmites internos. Com isso, será possível restaurar também o jardim e o monumento. A captação final, portanto, irá superar o valor-alvo de R$ 160 milhões.

“Vai elevar a R$ 190 milhões a capitação. Os recursos complementares serão destinados aos jardins do entorno do Museu da Independência, a recuperação das fontes, iluminação, controle e segurança, esse que será o mais moderno sistema de controle e segurança disponível no mundo, tanto na parte externa como interna, inclusive com sistema de detenção de calor e combate a incêndio, tornando o museu da independência o mais seguro museu”, destacou o Governador.

Os valores aportados variam entre R$ 4 milhões e R$ 12 milhões. Algumas empresas usarão a Lei Federal de Incentivo à Cultura; outras aportarão recursos de marketing. Além do patrocínio, a Sabesp fará a recuperação total do Córrego do Ipiranga. “A obra estará pronta, não em setembro de 2022, mas no dia sete de janeiro de 2022, essa é a data para entrega da obra. E a celebração nove meses depois, no dia sete de setembro de 2022”, determinou João Doria.

O Novo Museu

A finalização das obras do museu está prevista para janeiro de 2022 e sua reabertura agendada para setembro de 2022, quando serão comemorados os 200 anos da Independência do Brasil. A Setec Hidrobrasileira é a empresa gerenciadora das obras. O projeto custará R$ 160 milhões e inclui a reforma e a ampliação do espaço, além da exposição de reabertura do museu. O processo de restauração e modernização visa recuperar o monumento, que é uma das maiores referências nacionais.

O projeto do Novo Museu vai preservar todos os elementos do edifício, ampliá-lo e torná-lo mais seguro, no nível de museus internacionais. O espaço terá 5 mil metros quadrados de área nova para exposições e atividades culturais, elevadores, estruturas de acessibilidade, um mirante, dois cafés e um restaurante.

Sérgio Sá Leitão reiterou que será criado um comitê com os patrocinadores, para supervisão da execução do projeto, além de um novo modelo de gestão e de um plano de sustentabilidade, que inclui um endowment (fundo patrimonial permanente) para o custeio das atividades. “Vamos acompanhar o projeto de perto para assegurar a excelência e o cumprimento do prazo”, afirmou.

Publicidade
Clique para comentar

Comentar

Sociedade

Usuários de patinetes elétricos expostos ao perigo

81% não usam itens de segurança, diz Procon-SP

Da Redação, em 15 de junho de 2019
EBC

Pesquisa feita pela Fundação Procon-SP, vinculada à Secretaria da Justiça e Cidadania, mostra que 28% dos 1.381 entrevistados declararam ter utilizado patinete elétrico, dos quais, 77% (302), por meio de locação do equipamento. Dos usuários que já alugaram, 81% responderam que não utilizam equipamentos de segurança e 57% costumam transitar pelas ciclofaixas.

A pesquisa revela ainda que 43% dos consumidores que responderam já ter utilizado o serviço de aluguel de patinetes deram o aceite no aplicativo sem ler o termo de uso e a política de privacidade. Ao todo, 65% declaram que não sabiam utilizar o equipamento.

Para 80% dos entrevistados o patinete elétrico é uma boa alternativa de transporte na cidade de São Paulo. Ao mesmo tempo, 72% defendem que exista algum tipo de regulamentação, tais como: locais para transitar e estacionar e uso de equipamentos de segurança. O questionário sobre o uso de patinetes elétricos foi disponibilizado no site da fundação entre os dias 14 e 27 de maio. O objetivo foi identificar a percepção do consumidor, que utiliza ou não esse meio de locomoção, sobre a segurança e a oferta do serviço.

Continue Lendo

Sociedade

Instituto Florestal recupera área em Mogi Guaçu

Área está localizada na Estação Experimental e visitantes poderão conhecer diferentes espécies do cerrado

Da Redação, em 14 de junho de 2019

Uma área de cerrado de aproximadamente 45 campos de futebol, em Mogi Guaçu, foi entregue para a população após ser recuperada. Agora, quem mora na região pode apreciar a natureza e conhecer a Trilha das Lobeiras.

“A trilha é bem estruturada e funciona bem para trabalhar a educação ambiental com crianças, jovens e adultos. Esperamos novos projetos para fortalecer ainda mais essa área que tem tudo para ser uma floresta estadual”, disse o diretor da Divisão de Florestas e Estações Experimentais do Instituto Florestal, Luiz Miguel Menezes. O instituto é responsável pela recuperação do local em parceria com o Aeroporto Internacional de Viracopos e a empresa Ceiba Consultoria Ambiental.

A área restaurada tem 442,5 mil metros quadrados e está localizada na Estação Experimental de Mogi Guaçu, na Fazenda Campininha. Ao todo, a trilha tem 1 km de extensão com sinalização em placas identificando espécies típicas do cerrado paulista. O visitante poderá conhecer conhecer diferentes espécies como rabo-de-burro (espécie de sapê comum em áreas de cerrado), além da floração e frutificação de lobeiras, jurubebas, indaiá, cajueiro-do-campo, gabirobas, entre outras.

“As áreas de cerrado são extremamente significativas para a manutenção da biodiversidade, mas ações práticas de restauração ecológica nesse bioma são relativamente mais raras”, completou o analista ambiental de Viracopos, Tiago Aranha.

Continue Lendo

Destaques